• Armazém Mauá

Guia Prático do Café: saiba tudo!

Assim como todo alimento no universo gastronômico, existem diversas curiosidades e fatores diferenciados para conhecer e apreciar o café.


Venha conferir tudo o que você precisa saber sobre a bebida para descobrir o seu paladar.

  1. História do Café

  2. Tipos de Grãos

  3. Tipos de Torra

  4. Métodos de Extração

  5. O que é um café especial?


História do Café


Se você acha que o hábito de beber café é algo apenas da cultura brasileira, pois bem. O café, por si só, carrega em sua trajetória pelo mundo diversos encontros culturais, sociais e econômicos.

Sobre a sua descoberta, podemos citar a lenda Etíope na qual um pastor, denominado Kaldi, foi quem percebeu que havia algo diferente quando alimentou suas cabras com arbustos e folhagens que tinham um aspecto amarelo-avermelhado. Notou que os animais ficaram mais animados e com mais energia! O pastor então levou o fruto até os monges, e assim, estudando e experimentando seus efeitos, surgiu o café.


Mas seu cultivo e, inclusive seu nome, tenham sido concretizados no Iêmen, região oeste da Arábia. O nome 'café' tem origem árabe, onde a planta era conhecida como Kaweh e a bebida foi denominada como Kahwah ou Cahue, o que significa força.


Enquanto o Iêmen era responsável pelos maiores cultivos e exportações de café durante o século XIV, as cafeterias começaram a destacar a grande abrangência cultural do grão. A Turquia aqui se destaca pela difusão do conhecimento da bebida com a criação da primeira cafeteria do mundo, a cafeteria Kiva Han, em 1475.


Não podemos esquecer de esquecer que os italianos revolucionaram a maneira de preparar a bebida. Foi em 1884 que Angelo Moriondo criou um dos primeiros protótipos que dariam origem a máquina de café, e em 1901 que Luigi Bezzera foi o responsável pela invenção que, além de agilizar o preparo do café, permitia introduzir o líquido direto em uma xícara.

E claro, os holandeses! Foram os responsáveis por transportar amostras da planta por diversas regiões no mundo, permitindo a diversificação de seu cultivo - só podemos concluir que assim como pão, o café é uma bebida que amplamente consumida e reconhecida, fazendo sua presença na história da humanidade.


O Brasil possui uma extensa história cultural, social e econômica quando se trata do café. Um dos grandes produtores e exportadores do grão, o cultivo brasileiro persiste com bastante relevância ainda nos dias de hoje.


Tipos de Grãos de Café

Para começarmos a entender mais sobre os tipos de café, vamos conhecer melhor sobre os grãos. Confira:


Café Arábica

Proveniente das montanhas da Etiópia, com maior altitude, maior a possibilidade de complexidade de sabor do grão, por este motivo que os grãos que são cultivados acima de 1.000 metros de altitude, costumam ter um sabor super especial. Possui 50% menos cafeína com um teor maior de açúcares, além de geralmente serem matéria-prima para as variedades que dão origem aos cafés finos.


Café Bourbon

Derivante da espécie Arábica, é uma das mais conhecidas no mundo - principalmente fora do Brasil - possui notas mais achocolatadas, o aroma forte e marcante, e a acidez moderada. É ideal para pessoas que gostam de um paladar mais leve e adocicado, já que possui notas que lembram o caramelo.


Café Kona

É cultivado na cidade de Kona, Havaí, sendo uma região de clima e o solo vulcânico o resultado é uma espécie exótica e diferenciada. Algumas pessoas falam que é o melhor café do mundo, então se você gosta de uma experiência marcante, está aí uma ótima aposta!


Café Catuaí

É muito cultivado em solo brasileiro, principalmente em altitudes acima de 900 metros já que a altitude é um fator muito importante na construção do paladar do grão. Apresenta acidez moderada e doçura natural.



Café Acaiá

O nome 'acaiá' significa "frutos com sementes grandes", em tupi-guarani, o que se trata de uma característica das plantas e frutos desta variedade. Possui um paladar bem suave e frutado com acidez média.



Café Robusta

É um tipo de grão com uma maior concentração de cafeína, perfeito para pessoas que apreciam um paladar mais amargo. A planta, Coffea canephora, é bastante cultivada em diversos países, principalmente no Vietnã e no Brasil. Muito comum, sua presença em cafés instantâneos justamente para que dê um resultado mais encorpado e com um sabor mais amargo também à bebida.


Não apenas o grão, mas o processo de torra é uma das etapas mais importantes no que diz respeito sobre a personalidade do seu café: seu sabor, coloração, aroma… Venha conferir os tipos abaixo.



Tipos de Torra do Café


Torra Clara

Acentua a acidez e o aroma leve do café, ao mesmo tempo em que diminui o amargo dos grãos. Ao preservar os óleos aromáticos, produz um café menos encorpado, mais seco, com um sabor mais suave.

A torra de café clara é ideal para ser utilizada em máquinas de café expresso, perceba que os grãos ficam com cor próxima a da canela. A temperatura para realizar esse processo varia entre 180 a 240ºC.


Torra Média

Busca equilibrar as características do café, sendo um meio termo entre a torra clara e a escura. O amargor, aroma, acidez e corpo são balanceados durante a torra, resultando em um café em tonalidades diferentes de marrom e vermelho.

Os grãos ficam mais encorpados, com aspecto mais aveludado e intenso. Essa torra de café é ótima para um café coado.


Torra Escura

Um café mais forte, com menor nível de acidez, mais amargor e grãos menos encorpados. Os óleos são preservados no grão, o que auxilia na potencialização do sabor e aroma. Em relação a cor, destacam-se tonalidades mais escuras de marrom.


Métodos de Extração do Café

Além de saber mais sobre os grãos e suas características de torra, precisamos ressaltar que o método de preparação do café também influencia no resultado do seu café. Continue lendo para saber mais.


V60

Este método foi criado no Japão e ganhou amplo reconhecimento, inclusive no Brasil. Necessita um coador feito em cerâmica ou vidro que acaba por manter a água com temperatura elevada durante mais tempo. Internamente, o coador precisa possuir formatos de cones e linhas desenhadas em formato espiral que facilitam o fluxo da água até a xícara de maneira mais uniforme. O objetivo desse design e método é um café limpo e sem resíduos.


Aeropress

Essa técnica foi desenvolvida por um criador de brinquedos dos EUA! Seu funcionamento se parece um pouco ao de uma seringa: uma das peças, semelhante a um tubo, é colocado o café junto a um coador de papel específico. Em seguida, é despejada a água quente. Depois, um êmbolo é inserido e a pressão é feita na peça anterior. Mais óleos de café são aproveitados devido a pressão exercida. O processo de extração é rápido e, por isso, o café não tem o amargor comum de outros métodos


Chemex

Em um vidro, com formato parecido com o de uma ampulheta, é inserido um filtro de papel com tripla filtração que recebe água quente antes mesmo de adicionar o pó de café. O design é tão interessante que um modelo de 1900 garantiu sua vaga no Museu de Arte Moderna de Nova York. A técnica resulta em um café limpo, sem resíduos e que equilibra acidez, doçura e corpo.



EvaSolo

Criado em 1913 por uma dinamarquesa, a técnica chama a atenção pela versatilidade e pela simplicidade! Um dos poucos métodos em que é possível fazer a bebida fria sem perder aroma ou sabor.


French Press

Lembra a técnica do Aeropress, mas se diferencia em alguns pontos. A pressão é a responsável pelo processo, mas o pó de café é colocado junto à água quente num recipiente com um resultado que apresenta mais resíduos, forte e encorpado.


Moka

Criada nos anos 30, uma peça tradicional italiana, é muito conhecida e utilizada nas cozinhas. Trata-se de duas câmaras separadas por um filtro que, com bastante pressão, são utilizadas na preparação do café. A água que está na parte inferior ferve, enquanto passa pelo meio, onde está o café, e em seguida é filtrada e chega pronta à parte superior.


Além do coador de papel e coador de pano, os métodos mais utilizados em nosso país.



O que é um café 'Especial'?

Para determinar aspectos diversos do resultado de um café, a SCA (Specialty Coffee Association) desenvolveu uma metodologia de avaliação sensorial da bebida que é utilizada no mundo todo. Este método avalia o café, que gera uma pontuação de até 100 pontos, e o classifica.


Os atributos avaliados são:

  • Fragrância/Aroma

  • Uniformidade (cada xícara representa estatisticamente 20% do lote avaliado)

  • Ausência de Defeitos

  • Doçura

  • Sabor

  • Acidez

  • Corpo

  • Finalização

  • Harmonia

  • Conceito Final (única parcela de subjetividade do classificador na avaliação da amostra)


Um café Especial é aquele que pontua no mínimo 80 pontos na avaliação, e quanto maior seu resultado, maior a sua qualidade em relação aos atributos.


Os cafés Tradicionais, por exemplo, são compostos por café arábica com alta incidência de defeitos e é vendido para as indústrias nacionais por preços inferiores e acabam se caracterizando pela moagem muito mais fina e uma torra bastante escura, para disfarçar as imperfeições dos grãos.


Os cafés Gourmets seguem um método de avaliação criado no Programa de Qualidade do Café da ABICAssociação Brasileira da Indústria do Café, no qual a avaliação vai até 10 pontos. Sendo dividido assim:

  • Tradicional com nota igual ou maior a 4,5 e inferior a 6.

  • Superior com nota igual ou maior a 6 e até 7,2.

  • Gourmet com nota igual ou superior a 7,3 e até 10.



Agora que você já conhece tudo sobre café, a gente te convida a experimentar o nosso café Adão! Nosso nano-lote exclusivo: catuaí amarelo 100% arábica de longa maturação em gruta, desenvolvido com produtor local da Serra da Mantiqueira. No paladar é adocicado, encorpado com tons de amêndoas e chocolate amargo - só no Armazém Mauá.









17 views0 comments

Recent Posts

See All